You Are Here: Home » Artigos » E.B.D » Adultos - Betel » A ousadia do cristão diante dos infortúnios

A ousadia do cristão diante dos infortúnios

EDIÇÃO: 60 – 1º Trimestre – Ano: 2021 – Editora: BETEL

LIÇÃO – 08 – 21 de fevereiro de 2021

TEXTO ÁUREO

“Então o rei lhe disse: Que é o que tens, rainha Ester, ou qual é a tua petição? Até metade do reino se te dará.” Ester 5.3

VERDADE APLICADA

A ousadia do cristão se baseia no poder do Espírito Santo e na fé firmada em Deus e na Sua Palavra.

OBJETIVOS DA LIÇÃO

– Mostrar que devemos ser ousados.

– Explicar que para Deus nada é impossível.

– Destacar as vantagens de se fazer um planejamento.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Segunda-feira – Dt 31.6

– Deus não nos deixa nem nos desampara.

Terça-feira – Mt 7.7

– O dever de buscar sempre ao Senhor.

Quarta-feira – ICo 16.13

– O dever de vigiar e estar firmes na fé.

Quinta-feira – ITm 3.13

– Confiança na fé que há em Cristo Jesus.

Sexta-feira – IITm 1.7

– Deus não nos deu o espírito de temor.

Sábado – Hb 4.16

– Chegar com confiança ao trono da graça.

LEITURAS COMPLEMENTARES

Ester 5

1 – Sucedeu, pois, que, ao terceiro dia, Ester se vestiu de seus vestidos reais e se pôs no pátio interior da casa do rei, defronte do aposento do rei; e o rei estava assentado sobre o seu trono real, na casa real, defronte da porta do aposento.

2- Então o rei lhe disse: Que é o que tens, rainha Ester, ou qual é tua petição? Até metade do reino se te dará.

3 – E disse Ester: Se bem parecer ao rei, venha o rei e Hamã hoje ao banquete que lhe tenho preparado.

4 – Então disse o rei: Fazei apressar a Hamã, que cumpra o mandado de Ester. Vindo, pois, o rei e Hamã ao banquete, que Ester tinha preparado.

5 – Então disse o rei: Fazei apressar a Hamã, que cumpra o mandado de Ester. Vindo, pois, o rei e Hamã ao banquete, que Ester tinha preparado.

INTRODUÇÃO

Através do exemplo de Ester, aprendemos a necessidade de agirmos, confiando no Senhor e procurando permanecer na direção do Espírito Santo; superando todas as situações aflitivas de nossa alma. Ester preconiza que em tudo é importante ser fiel a Deus. E Deus tem compromisso com os fiéis.

I – DEVEMOS SER OUSADOS

Se você é cristão, e se sente cabisbaixo e sem entusiasmo, preste atenção no que a Bíblia diz: “Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação.” [IITm 1.7]. Ester tinha uma vida comprometida com Deus, pois tinha a certeza de que Deus ouve as nossas orações. Ela foi ousada, adentrando a presença do rei sem ser convocada [Et 5.2]. E a Bíblia nos encoraja ainda mais, dizendo: “Vigiai, estai firmes na fé, portai-vos varonilmente e fortalecei-vos.” [ICo 16.13].

1. A ousadia de Ester.

A prática da ousadia é a arte de portar-se corajosamente diante dos desafios da vida. Podemos observar vários homens de Deus na Bíblia que foram ousados diante do perigo: Davi contra o gigante Golias, o profeta Elias contra os 450 profetas de Baal, Josué diante das muralhas impenetráveis da cidade de Jericó, Pedro e a ordem de andar sobre as águas.

Quando analisamos o livro de Ester, notamos que, após o relatório de Mardoqueu sobre sua posição no palácio, ela foi movida por uma ousadia extraordinária em buscar a Deus [Et 4.14-16]. Os apóstolos de igual modo buscaram em Deus a ousadia necessária para continuarem anunciando a Palavra de Deus, mesmo diante das ameaças sofridas [At 4.29-31]. Sentir-se seguro em Deus nos faz ser ousados diante das adversidades.

2. Não seja covarde.

Deus não quer pessoas covardes para trabalhar em Sua seara, mas pessoas dispostas e corajosas, como o apóstolo Paulo, que deixou registrado as seguintes palavras de encorajamento: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho!” [ICo 9.16]. A covardia é um reflexo de quem não tem um comportamento corajoso.

Uma coisa que Ester nos ensina é que não devemos ser covardes perante os problemas. A Bíblia aborda a covardia com rigor. Entre o exército judeu, o “covarde” deveria voltar para casa: além de não ser vantajosa sua presença, ele poderia corromper os outros com a sua fraqueza [Dt 20.8].

3. Seja corajoso.

Coragem é o oposto de covardia. A coragem é uma das características dos que confiam no Senhor. O autor da epístola aos Hebreus esclarece o real motivo pelo qual podemos entrar no Santo dos Santos e viver as promessas de Deus: “Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus.” [Hb 10.19].

Nossa ousadia não se fundamenta no fato de sermos autossuficientes, ou dignos, mas no que Cristo fez por nós. Ao longo dos séculos, muitos servos corajosos tomaram posição como aguerridos adoradores do Senhor e foram vencedores diante de seus adversários.

II – PARA DEUS NADA É IMPOSSÍVEL

A rainha Ester procurou apoio do povo judeu quando convocou que ele se unisse a ela em jejum. Para alguns, a atitude de Ester poderia parecer uma loucura, mas para ela era questão de sobrevivência [Et 4.13]. Em Deus tudo é possível e não há limites para a fé [Sl 34.19]. Ester tinha conhecimento de que iria inadimplir a lei daquela terra e que poderia sofrer a mais ríspida consequência: a morte.

As nossas limitações não devem impedir-nos de prosseguir na jornada cristã, pois “as coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus” [Lc 18.27]. O apóstolo Paulo afirmou: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” [Fp 4.13].

1. Simples em suas atitudes.

A formosura do cristão não deve ser medida por sua beleza exterior, e sim por seu caráter. Assuero ficou tão admirado com a beleza de Ester que lhe ofereceu a metade do seu reino [Et 5.3]. Para Deus, a beleza interior é mais admirável que a beleza exterior. Para o Senhor o mais importante é termos um espírito manso e tranquilo. Isto é o que realmente tem valor.

Ester não estava preocupada com riquezas, mas em agradar a Deus. Uma mulher com estas peculiaridades não pode ser analisada como uma pessoa covarde, porém como uma mulher que confia no Senhor para suprir todas as suas necessidades [Fp 4.19].

2. Dê um passo a mais.

Ester concluiu que era necessário agir para preservar a sua vida e a de todo povo judeu. Ela transgrediu a norma, aproximando-se do rei sem um chamamento oficial, contudo encontrou graça perante o rei [Et 5.2].

Algumas vezes, a nossa vida precisa de certa atitude em alguns períodos e é sempre necessário dar um passo a mais. Ester não teve medo de dar um passo a mais para conseguir livrar o seu povo da morte. Tinha conhecimento de que o Senhor abençoa os nossos passos!

3. A segurança na confiança em Deus.

Ester só pôde gozar da segurança divina, porque confiou inteiramente no Senhor [Sl 91.2]. Ester não confiou em si mesma e adicionou Deus no seu problema. Assim também ocorre com cada um de nós, quando acreditamos em Deus e lançamos sobre Ele toda a nossa ansiedade [IPe 5.7]. Ester nos dá uma lição de como confiar em Deus. Ela se escondeu no esconderijo do Altíssimo e descansou na sombra do Onipotente [Sl 91.1].

III – AS VANTAGENS DE SE FAZER UM PLANEJAMENTO

A vida cristã é uma guerra de fé que demanda estratégias e planejamentos para colocarmos nossas ações em prática. Ester teve três dias para se planejar e só chegar à presença do rei no momento oportuno. Este tempo foi necessário para ela atingir o alvo estabelecido. O sucesso de Ester passou pelo período de preparação (oração e jejum) para agir de modo certo na hora certa. As pessoas vitoriosas instituem alvos, priorizam e planejam bem, como no caso de Ester.

1. Planejar é preciso.

O planejamento na vida do cristão deve considerar “a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” [Rm 12.2]. Deus planejou tudo e efetuou o Seu projeto [Is 46.9-11]. Ele entregou ao homem a incumbência de dominar a Sua criação [Gn 1.28]. Tendo sido criado à imagem e semelhança do Criador, o homem é um ser que deve se planejar em tudo também [Lc 14.28].

2. O planejamento produz sucesso.

Os episódios narrados no livro de Ester ocorreram quando a maior parte do povo de Israel continuava vivendo no exílio. O local da história é Susã, a cidade onde o rei da Pérsia e Média habitava [Et 1.2]. O primeiro planejamento traçado por Ester e Mardoqueu foi não divulgar a ninguém que era judia.

O segundo foi planejar o momento certo de falar com o rei. Após três dias, não falou diretamente, mas ofereceu um suntuoso banquete. Todo este plano traçado por Ester era acreditando que Deus livraria ela e a sua nação da morte.

3. Espere o momento certo.

Diante da bela história de Ester, temos aprendido que devemos agir no momento certo. Temos que saber o momento apropriado de lutar, pois se partirmos de qualquer jeito e na ocasião errada, com certeza haverá uma enorme probabilidade de sermos atingidos pelo inimigo. Espere o momento de Deus. Ele sabe todas as coisas e no tempo certo dirá para você o que e como fazer.

CONCLUSÃO

Nesta lição, vimos que, na hora em que foi preciso, Ester foi ousada, mesmo correndo risco de morte, para salvar sua vida e a de seu povo. Aprendemos com Ester a importância de cumprirmos nosso papel neste mundo; crendo em Deus, que nos chamou e capacitou.

Postado por: Pr. Ademilson Braga

Fonte: Editora Betel

Compartilhe!

Deixar um comentário

© Seara de Cristo - Todos os direitos reservados.

Scroll to top