You Are Here: Home » Artigos » A tarefa evangelística da Igreja

A tarefa evangelística da Igreja

Texto: Atos 8.26-40

A razão da existência da Igreja está no fato da necessidade de resgate da humanidade perdida.  Jesus chamou a Igreja para que continuasse essa obra. Foi seu último assunto antes da ascensão. O apóstolo Pedro a classificou como “ o povo adquirido para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para sua maravilhosa luz” (I Pe 2.9).

O serviço evangelístico da Igreja

Um verdadeiro “diaconato” (At 6.2

Filipe não teve nenhuma dificuldade em realizar o trabalho de evangelização objeto da ordem do Senhor Jesus. Houvera sido escolhido como “servo” ou “mensageiro” na administração do alimento às viúvas e demais carentes. O papel da Igreja é distribuir o pão da Vida a todos os povos na terra (Jo 6.34,35). É “servir” às pessoas de todo o mundo a salvação maravilhosa que somente Cristo pode dar (At 4.12). Deve haver essa disposição de “servir” em cada um de nós que compomos a Igreja (Mt 20.28).

É atividade-fim

A ordem dada a Filipe (v.26), exprime a vontade de Deus para com a Igreja, no seu intento de abençoar os povos através dela. O plano de redenção incluiu Abraão e o Senhor lhe disse: “sai-te da tua terra e da tua parentela… e em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12.1,3).

a) A grande Comissão

Jesus chamou doze discípulos para trabalhar com Ele (Mt 10.1). Antes de subir para o céu, fundou a Igreja (Mt 16.18) e a comissionou a continuar a obra já começada: “ide por todo o mundo, pregai o evangelho…” (Mc 16.15), “portanto, ide, ensinai todas as nações…” (Mt 28.19) “e ser-me-eis testemunhas…” (At 1.8). A evangelização da humanidade é a atividade-fim da Igreja. Cada membro tem a sua parcela de responsabilidade (I Co 9.16). Isto significa que Deus espera de você uma resposta positiva no que diz respeito a sua área de ação.” 

b) Atividades complementares

Todas e quaisquer outras atividades desempenhadas pelos organismos da Igreja devem visar o apoio ao trabalho evangelístico. É possível encontrar igrejas com conjuntos corais, musicais e vocais que cantam e tocam maravilhosamente, enquanto os resultados evangelísticos deixam a desejar. Ajude a equilibrar essa situação.

A abrangência da evangelização

A ordem do anjo para que Filipe fosse “para a banda do sul” e o encontro com o “homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace”, traz o ensino de que a evangelização não deve se restringir aos limites de nosso próprio campo de trabalho. O evangelho é universal. Jesus, em At 1.8, nos informa até onde a Igreja deve levar as Boas Novas: “tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria e até aos confins da terra”.

A responsabilidade é de todos

A ordem evangelística de Jesus é para todos (Mc 16.15). Filipe era diácono, mas ciente disso procurou obedecer. Portanto, devemos tomar alguns cuidados.

Visão apurada (v.28)

Filipe, a despeito da boa aparência do eunuco e de até estar lendo a Bíblia, se aproximou e percebeu a grande necessidade daquele coração. De igual modo a Igreja deve pedir a orientação do Espírito Santo para enxergar a necessidade espiritual daquelas pessoas que Deus tem colocado em seu caminho (Jo 4.35). Seu colega, filho de pai rico, sem Jesus precisa do evangelho.

Sensibilidade ao Espírito Santo (v.29)

Filipe vivia na direção do Espírito Santo. Pesou na sua escolha para o diaconato, o fato de ser cheio do Espírito. Uma igreja sensível ao Espírito Santo é formada de membros com a mesma característica. Para tal deve: a) viver uma vida de permanente oração (At 1.14; 2.1; 2.42; 12.5); b) cultivar a adoração ao Senhor (Jo 4.23); c) buscar comunhão diária com Deus (At 2.42; 13.2; I Jo 1.3); d) ter um ardente amor pelas almas perdidas (At 20.24). Assim facilmente ouvirá a “voz” do Espírito Santo para ser dirigido.

Pressa para evangelizar (v30)

“E correndo Filipe… ” A atitude de Filipe em correr para a necessidade daquele homem carente de Cristo, deve nos chamar a atenção para o fato de que a missão de ganhar almas é de natureza urgente. É o Espírito Santo quem coloca esse sentimento no coração do crente, por várias razões:

a) Transitoriedade da vida

A cada minuto morre milhares de pessoas neste mundo. Seu colega de escola pode amanhã passar para a eternidade (Lc 12.20). Você precisa evangelizá-lo urgentemente. (Hb 9.27(; Ez 33.8)

b) A vinda de Jesus está próxima

Todos os sinais deixados por Jesus, como alerta para sua Igreja, estão se cumprindo em nossos dias. Se não trabalharmos agora, vamos perder a oportunidade (I Ts 4.16.17).

c) Satanás não dorme

Sabendo que seu tempo está acabando ele escraviza e destrói, na sua fúria, a vida dos homens (Mt 13.25). Você precisa chegar primeiro, pois tem o poder de Deus para isto.

Encarando o desafio

A ordem de Jesus é ir por todo o mundo (Mc 16.15). O evangelho tem dimensão global. Jesus ordenou a evangelização à Igreja (Mt 10.7-8,16), deu-lhe autoridade e a muniu dos recursos necessários para alcançar esse objetivo (Lc 10.19; At 2.4). Sua parte indispensável é alcançar seus colegas. É um grande desafio!

O mundo clama (v.31)

“ Como poderei entender se alguém me não ensinar”? É o mesmo clamor de bilhões de vidas que, longe de Deus e espalhados por todo o globo terrestre, precisam da mensagem libertadora do evangelho. Paulo escreveu declarando que “aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”. Para invocar ao Senhor é necessário crer nEle e para que uma pessoa creia é indispensável que ela escute a mensagem de Jesus. Paulo conclui: “como ouvirão, se não há quem pregue?” (Rm 10.13,14).

O mundo espera pela Igreja

É bastante atual o alerta de Jesus: “Levantai os ssov os olhos e vede as terras, que estão brancas para a ‘Ceifa” (Jo 4.35). Você é parte desta Igreja. Alguém espera por você no caminho deserto desta vida. O Senhor Jesus espera que você faça a sua parte. No mundo há três classes de pessoas que esperam pela mensagem salvadora:

a) Os que lêem e não entendem (v.34)

Como o mordomo-mor, são pessoas que estão em contato com a mensagem. Desejam a salvação. Mas, tentam salvar-se através de seus próprios esforços. Estão perdidas e, algumas, bem perto de você.

b) Os que não entendem porque não lêem

Seus interesses estão nas coisas materiais. Nada na palavra de Deus atrai; chegam a tratar a mensagem da salvação com desdém. Mas “Deus não leva em conta os tempos da ignorância” (Rm 17.30). Ele quer que você anuncie a eles a necessidade do arrependimento e entrega a Cristo.

c) Os que lêem, entendem e desobedecem

São os “filhos pródigos” que precisam urgentemente voltar para Deus. Alguns não saíram ainda da casa física do Pai, mas há muito tempo saíram de sua presença, de sua vontade (Is 55.7).

CONCLUSÃO

A seara é grande. Deus conta com você. Você é um semeador mas também é ceifeiro. Os campos estão brancos. A Igreja cumprirá a sua tarefa evangelística se você, como indivíduo, fizer a sua parte.

 

Postado por: Pb. Ademilson Braga

 

 

Compartilhe!

Deixar um comentário

© Seara de Cristo - Todos os direitos reservados.

Scroll to top