You Are Here: Home » Artigos » O que devo fazer para ser missionário? PARTE – 3

O que devo fazer para ser missionário? PARTE – 3

O que devo fazer para ser missionário? PARTE – 3

8. Livrar-se de todo e qualquer empecilho. (Hb 12.1.) Essa é uma ordenança muito séria, e há casos em que um missionário leva muito tempo para descobrir o que o está embaraçando, impedindo-o de fazer seu trabalho da melhor maneira possível. Mas podemos poupar-nos muito sofrimento posterior, se aprendermos agora, enquanto estudamos, como nos purificar e libertar de tudo que é inútil na vida de um servo de Cristo. Medite um pouco sobre as sugestões abaixo.

a) Abandone suas atitudes de crítica. É provável que você tenha um pouco disso. Todos nós temos. Já observei que os adolescentes e jovens em geral possuem uma atitude muito crítica em relação aos outros jovens, aos pais, ao seu pastor, à igreja, à escola, e quase a todo mundo. E fazem uma crítica destrutiva, não construtiva. Quem não conseguir largar disso, será um péssimo missionário.

b) Descarte-se de coisas desnecessárias. Aprenda a viver sem muitas das coisas que outros consideram tão importantes e necessárias.

Conheço muitos casos de missionários que perderam bens ou tiveram grandes transtornos por causa delas. E todas essas histórias terminam sempre com o mesmo conselho: mantenha consigo apenas as coisas que são estritamente necessárias para seu trabalho, e, mesmo assim, não se apegue muito a elas, pois poderá vir a perdê-las algum dia.

Conta-se que Hudson Taylor, o missionário pioneiro à China, fazia um balanço de seus livros e outros pertences uma vez por ano. Olhava cada objeto dirigindo a si mesmo a seguinte pergunta: “Será que este objeto é necessário à obra que Deus me confiou?” Se a resposta fosse: “Não”, ele se desfazia dele.

c). Largue dos entretenimentos. Não de todo, mas pelo menos uns 90% deles. Nosso pais está inundado de entretenimento: cinema, rádio, televisão, livros, revistas, etc. E é fácil nos deixarmos prender a essas coisas. Todos dos nossos momentos de folga, entre as aulas ou os turnos do trabalho, bem como as nossas noites são facilmente preenchidos com divertimentos que nem pensamos em questionar.

Mas quem vai viver com pessoas pobres num povoado ou tribo, com o objetivo de servir a Cristo, terá que deixar isso para trás. Será melhor começar a largar boa parte disso agora, senão terá muita dificuldade de fazê-lo mais tarde.

9. Aprender a amar. “O amor seja sem hipocrisia”, diz o apóstolo, no Novo Testamento. É evidente que existe muito amor espúrio, amor fingido, e isso não tem valia nenhuma.

O amor de que a Bíblia fala não é um sentimento apenas; é um ato de convicção.  É uma atitude que leva à ação. Não há dúvida de que nossos sentimentos e emoções terão uma parte nisso tudo, pois são parte integrante do nosso ser. Basicamente, porém, o amor é uma atitude. Amar é ter a atitude de Deus para com as outras pessoas.

Deus ordena que amemos nosso próximo. Se esse amor fosse apenas uma emoção ou sentimento não poderia ser alvo de um mandamento, pois ninguém pode exigir de nós uma emoção em relação a outrem. Mas pode exigir que tenhamos uma determinada atitude. É o que Deus está fazendo ao ordenar-nos que amemos uns aos outros, e até mesmo aos nossos inimigos.

Deus é amor, e o amor procede de Deus, diz o apóstolo João (I Jo 4.7,8). A natureza deste amor está demonstrada em Jesus. Ele é misericordioso, compassivo, redentor e restaurador. Deus sempre age assim, constantemente, e é a essa sua atitude, aos seus atos de redenção, que chamamos amor.

O texto de I Coríntios 13 mostra o amor através de um prisma – como um raio de luz – e descreve seu maravilhoso espectro de cores incomparáveis. “O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (Vs. 4-7.)

Faça você o que fizer, aprenda a amar. Sem ele é melhor não ser missionário. Haverá fardos a serem carregados, tristezas a suportar, dores para sofrer, decepções para aguentar, pecados a perdoar, necessidades a atender, erros para serem acertados. São questões que somente o amor pode resolver satisfatoriamente.

É possível que você tenha o dom de falar bem línguas estrangeiras; você pode ter grande poder na pregação e no ensino; você pode ter todos os conhecimentos, conhecer todos os segredos da vida; pode ter a fé que é capaz de transportar montes; pode ser capaz de enormes sacrifícios, dando de seu tempo e de suas posses, dando até tudo que possui e entregando o seu corpo para ser queimado vivo. Mas se não tiver amor, diz o apóstolo, nada mais é que um gongo que soa ou um sino que tine. Em suma, você não é nada, e tudo que fizer é totalmente inútil. Portanto, antes de qualquer outra coisa, procure encher-se do amor de Deus.

10. E Agora, começar. Comece a fazer tudo isso, agora mesmo, ai onde você se encontra. Não será atravessando um oceano que você se tornará um missionário. Tampouco a obtenção de um diploma universitário fará isso.

Alguns anos atrás, um homem foi para a China, tencionando ser missionário ali, levando em sua bagagem doze títulos de doutorado. Mas pouco tempo depois, fez as malas e voltou para sua terra. Não havia começado da maneira certa, pois não conhecia a Cristo como seu Salvador.
Foi ele próprio quem me contou essas coisas anos depois.

Mas se você começar a praticar tudo isso que foi sugerido aqui, ai mesmo em sua cidade, em sua escola, será um missionário de Cristo a partir de hoje. E mais tarde, quando o Espírito Santo o enviar para outro rincão deste mundo, estará preparado para realizar sua obra, será um missionário experiente, e as situações que irá encontrar não o pegarão de surpresa.

Que Deus o abençoe! Faça tudo na força que Deus supre.

 

Extraído

 

 

Postado por: Pb. Ademilson Braga

Compartilhe!

Deixar um comentário

© Seara de Cristo - Todos os direitos reservados.

Scroll to top