You Are Here: Home » Artigos » A atuação do Espírito Santo no plano da redenção

A atuação do Espírito Santo no plano da redenção

EDIÇÃO: 445 – 1º Trimestre – Ano: 2021 – Editora: CPAD

LIÇÃO – 02 – 10 de janeiro de 2021

TEXTO ÁUREO

“Assim, pois, as igrejas em toda a Judeia, e Galiléia, e Samaria tinham paz e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e na consolação do Espírito Santo.” (At 9.31)

VERDADE PRÁTICA

A atuação do Espírito é continua e dinâmica na igreja, na vida dos crentes e os conduz desde a conversão até ao final da jornada cristã.

LEITURA DIÁRIA

Segunda-feira – Nm 11.17 O Espírito Santo exerce também a função de juiz

Terça-feira – I Sm 16.14 O Espírito Santo reprova a desobediência

Quarta-feira – I Co 6.11 O processo da salvação é realizado em nome de Jesus e pelo Espírito Santo 

Quinta-feira – Ef 1.13,14 O penhor do Espírito é a garantia da nossa herança

Sexta-feira – Fp 3.3 A verdadeira adoração cristã é no Espírito Santo 

Sábado – Tt 3.5 Fomos transformados pelo poder do Espírito de Deus

LEITURA BÍBLICA

João 16:7-13

7 – Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei.

8 – E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.

9 – Do pecado, porque não creem em mim;

10 – Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;

11 – E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.

12 – Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora.

13 – Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.

INTRODUÇÃO

Aprendemos na lição passada quem é o Espírito Santo e agora vamos estudar sobre a ação dele no processo da salvação da humanidade e na edificação dos crentes. Jesus disse que não nos deixaria órfãos quando se referiu ao Consolador que está nos crentes. Vivemos essa referência do Espírito no dia a dia.

I – O ESPÍRITO SANTO COMO PROMESSA

A salvação da humanidade foi um projeto do Deus Trino e Uno, planejado antes da fundação do mundo. Cada pessoa da Trindade exerce função específica no plano da salvação e o espírito é a parte dessa história salvífica juntamente com o Pai e o Filho.

1 – A promessa Messiânica. A promessa existe porque existe o plano, e não é o plano Qualquer. Isso envolve como Três Pessoas da Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (I Pe 1.2). Deus diversificadas vezes e diversas maneiras, pelos profetas, uma vinda de seu filho como Salvador do mundo (Rm 1.2). Isso significa participação do Espírito Santo de modo que a promessa Messiânica é acompanhado da promessa do Espírito (Is 32,15; 42,1,2; Is 61,1), confirmada no Novo Testamento (Mt 12,18; Lc 4,18-21). A salvação e a plenitude do Espírito são anunciados de antemão no antigo testamento para todo o povo (Is 44.3; Jr 2.28-32).

2 – Na antiga aliança. Há uma diferença da atuação do Espírito Santo antes e depois do Pentecostes. As múltiplas manifestações do Espírito são conhecidas dentre antigo testamento, e uma delas era a capacitação de pessoas para obra específicas, como a de profetas (Nm 12.6) ou a de liderança (Jz 6.34; I Sm 16.13). Essas habilitações eram espirituais: profecias (Nm 11.25), revelações (Ez 8.3)  e milagres (I Rs 18.12); também aptidões individuais, artísticas (Êx 31.3) e habilidades para liderança militar e política ( Jz 3.10; Zc 4.6,7)

3 – A promessa do Consolador. A vinda do Consolador estava associada a Volta de Jesus ao Céu: “convém que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não vira a vós” (v.7). Isso porque o cumprimento dessa promessa estava vinculada à obra expiatória do Calvário (At 2.32,33). Jesus disse também que tinha muita coisa para ensinar aos seus discípulos, mas ele ainda não estava preparado para ouvir, não poderia suportar a mensagem sem ação do Espírito (v. 12). Jesus precisava voltar ao pai para possibilitar a vinda do consolador.

II – O ESPÍRITO SANTO CONSOLA E ENSINA

O Consolador é enviado pelo pai em nome de Jesus para ensinar os discípulos e fazê-lo lembrar de tudo que o filho ensinou e para testificar dEle.

1 – O Consolador (v.7). Vimos na lição passada a base Bíblica da consubstancialidade do Consolador, o espírito santo, com o filho. O termo grego parakletos vem da preposição pará, “ao lado de, próximo”; e do verbo kaléo, “chamar, convocar”, de modo que essa palavra significa “defensor, advogado, intercessor, auxiliador, ajudador, paracleto”. Esse vocábulo só aparece 5 vezes no Novo Testamento, quatro vezes se refere ao Espírito Santo (Jo 14.16,26; 15.26; 16,7) e uma ao Senhor Jesus, traduzido por “Advogado” (IJo 2.1). A ideia de parákletos é de alguém chamado para estar ao lado para ajudar. A tradução, ”Consolador”, é a mais apropriada no contexto da Promessa anunciada por Jesus no evangelho de João.

2 – O Ensinador. O Espírito Santo é alguém como Jesus da mesma substância, glória poder e majestade razão pela qual o Senhor se refere a ele Como “outro Consolador” (Jo 14.16). Alguém com a mesmas prerrogativas do Filho. Jesus disse que o pai ensina (Jo 6.45). O ensino era parte do ministério de Jesus (Mt 4.23; 7.29). De modo que essa tarefa é parte também da atuação do Espírito Santo: ”mas aquele Consolador, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome vos ensinará todas as coisas e vos isso para lembrar de tudo quanto vos Tenho dito” (Jo 14.26J). O Espírito nos ensina a compreender as escrituras para evangelização (I Co 2.13)

3 – O Ajudador.  A versão revisada de Almeida Traduz parákletos por “Ajudador”. De fato, o Espírito nos ajuda na vida diária, Ele imprimir em nosso caráter de Cristo e nos conduzirá até o final de nossa jornada. Ele nos ajuda em nossa fraqueza (Rm 8.26), Jesus disse que o ajudador “vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (Jo 14.26b). Ninguém vai se lembrar de algo que não viu, ouviu, leu ou aprendeu antes. Lembrança é algo que vem da memória, que já está nela. Essa ajuda do Espírito não nos desobriga de estudar a bíblia. É bom ressaltar essa verdade porque ainda há os que defendem a ideia de que não é preciso estudar e nem se preparar para fazer a obra de Deus.

III – O ESPÍRITO SANTO REPROVA E CONVENCE O MUNDO

Uma vez realizada a obra de Redenção Ro espírito veio para convencer o mundo do pecado da justiça e do juízo. A salvação está disposição de todos, mas há a necessidade de alguém persuadir a humanidade. Esse alguém é o Espírito Santo.

1 – O Espírito Santo convence o mundo do Pecado (v.9).  A ideia do verbo “convencer” é persuadir. Isso é observado em outras passagens do novo testamento (Jo 8.46; 16.8; I Co 14.24; Tt 1.9). É o Espírito Santo que convence ou persuade o mundo do pecado. Jesus disse pecado e não pecados isso porque Ele não está falando de alguns pecados ou transgressões específicas (Rm 3.23R), mas de incredulidade, isso é o pecado: “do pecado, porque não crê em mim”. Antes mesmo que alguém cometa alguma coisa, Jesus havia dito que qual pessoa já estava condenada (Jo 3.18). É o Espírito que torna as pessoas conscientes do seu estado de miséria espiritual e as leva a reconhecer o senhor Jesus Cristo como seu Salvador (Tt 3.5).

2 – O Espírito santo convence o mundo da Justiça (v.10). A justiça que o Espírito Santo convence o mundo é a justiça impecável de Cristo (Jo 8.46). Isso porque Jesus morreu e ressuscitou dentre os mortos e está a destra de Deus intercedendo por nós (Rm 1.4; Hb 7.25). Ele voltou para o Pai e o mundo não o vê, mas o Consolador Continua persuadindo as pessoas da Justiça de Cristo. É por meio do espírito que todos nós chegamos a convicção de que necessitamos a salvação. O Consolador nos leva a Jesus o nosso Advogado: “temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo. E Ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo mundo” (I Jo 2.1,2)

3 – O Espírito Santo convence o mundo do juízo (v.11). Jesus disse ainda: “e do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado”. O “príncipe deste mundo” é uma referência a Satanás, derrotado com a vitória de Cristo no Calvário (Jo 12.31-33; 14.30). O Espírito Santo convence o mundo do juízo, ou seja, trata-se de julgamento. Que julgamento? Nossos pecados foram julgados em Cristo na cruz e satanás perdeu as multidões do mundo que vieram a Jesus pela ação do Espírito Santo. Mas, esse julgamento se refere ao mesmo tempo ao julgamento de satanás, que já começou e será concluído na consumação dos séculos (Mt 25.41; Ap 12.7-10; 20.10). O diabo ainda luta numa batalha que já foi perdida. Esse “juízo” é uma referência ou julgamento de nossos pecados na cruz do Calvário e ao mesmo tempo ao julgamento de satanás, que já foi vencido por Jesus de sua morte e ressurreição.

CONCLUSÃO

Diante do exposto ficamos sabendo que o sentido de Consolador aplicado ao Espírito é inerente à sua natureza e obra. O espírito santo atua na igreja para guiar o povo de Deus de forma coletiva com as ovelhas individualmente e age também no mundo no processo da salvação.

Postado por: Pr. Ademilson Braga

Fonte: Revista CPAD

Compartilhe!

Deixar um comentário

© Seara de Cristo - Todos os direitos reservados.

Scroll to top