You Are Here: Home » Artigos » E.B.D » Adultos - Betel » A Misericórdia de Deus

A Misericórdia de Deus

EDIÇÃO: 71 – 2º Trimestre – Ano: 2021 – Editora: BETEL

LIÇÃO – 06 – 09 de maio de 2021

TEXTO ÁUREO

“As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim.” Lamentações de Jeremias 3.22

VERDADE APLICADA

O Senhor Deus, que é riquíssimo em misericórdia, agiu para nos reconciliar com Ele por intermédio de Jesus Cristo.

TEXTOS DE REFERÊNCIA

Lamentações de Jeremias 3

21. Disto me recordarei no meu coração; por isso, tenho esperança.

22. As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim.

23. Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.

24. A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; portanto, esperarei nele.

25. Bom é o Senhor para os que se atêm a ele, para a alma que o busca.

26. Bom é ter esperança e aguardar em silêncio a salvação do Senhor.

LEITURAS COMPLEMENTARES

Segunda-feira – Sl 4.1

Deus ajuda a quem clama por Sua misericórdia.

Terça-feira – Sl 6.2

Deus estende Sua misericórdia à humanidade.

Quarta-feira – Sl 9.13

Deus levanta os Seus das portas da morte.

Quinta-feira – Dn 1.9

Deus deu a Daniel graça e misericórdia.

Sexta-feira – Hc 3.2

Até na ira Deus se lembra da Sua misericórdia.

Sábado – Tg 5.11

O Senhor é cheio de misericórdia e compaixão.

INTRODUÇÃO

O profeta Jeremias enxergou nas misericórdias do Senhor um raio de esperança no meio de todos os pecados e tristezas que o rodeavam. Então ele convida o povo a reconhecer o seu pecado e a se voltar para Deus, enquanto havia tempo.

I. AS MISERICÓRDIAS DO SENHOR

A misericórdia de Deus é Ele deixando de nos castigar como merecemos por causa dos nossos pecados; dando oportunidade ao homem para rever seus conceitos da prática de coisas erradas; sendo longânimo diante do nosso arrependimento. Dicionário Bíblico Unger: “Misericórdia é uma forma de amor determinado pela condição ou estado de seu objeto, o qual pode se encontrar em sofrimento e necessidade, embora indigno ou não merecedor. A misericórdia é ao mesmo tempo uma disposição de amar e o ministério bondoso de amor voltado para o alívio do objeto”.

1. As misericórdias de Deus não têm fim. As misericórdias do Senhor não têm fim, elas são eternas. Deus é misericordioso para conosco porque Ele nos conhece e sabe que somos fracos e carentes. O Senhor é cheio de misericórdia (Tg 5.11). Deus é rico em misericórdia (Ef 2.4-6). Segundo a Sua grande misericórdia, Ele nos gerou de novo para uma viva esperança (I Pe 1.3). Ele nos salvou por Sua misericórdia (Tt 3.5). Sua misericórdia dura de geração em geração (Lc 1.50), de eternidade a eternidade (Sl 103.17).

2. As misericórdias de Deus são novas a cada manhã. É uma renovação constante, diária a nosso favor, para o nosso bem. Ele renova as misericórdias para alcançar os salvos e aqueles que ainda não se converteram. “Novas cada manhã” apontam para a ilimitada misericórdia divina demonstrada no fato de cada dia ser uma oportunidade para experimentá-la. Como um dia renasce com o sol após uma noite escura, assim a cada tropeço do homem segue uma oportunidade de arrependimento (Sl 103.8).

3. As misericórdias de Deus não fazem acepção de pessoas. Todos foram colocados em desobediência perante o Senhor para que Ele use de misericórdia para com todos, sem fazer acepção de pessoas. Deus não faz distinção entre seres humanos: cor, sexo, posição social, idade, país. “Assim também estes agora foram desobedientes, para também alcançarem misericórdia pela misericórdia a vós demonstrada. Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia.” (Rm 11.31-32). Ele prometeu juízo pela desobediência, mas também restauração pelo arrependimento.

II. AS MISERICÓRDIAS DE DEUS E SUA FIDELIDADE

Ele prometeu juízo pela desobediência, mas também restauração pelo arrependimento. Ele usa de misericórdia para com todos e não faz acepção de pessoas (Rm 11.31-32). Ele prometeu nos perdoar e não volta atrás por causa da Sua fidelidade, mas espera que nos atenhamos a Ele.

1. As misericórdias de Deus estão atreladas à esperança. Jeremias quer que o seu povo saiba que nem tudo está perdido. Razões para terem esperança, de acordo com a Bíblia de Estudo Pentecostal:

a. A ira do Senhor é de curta duração, mas a sua misericórdia não tem fim (Lm 3.22). Deus não rejeitou Judá como o povo do seu concerto, e Ele ainda tem um propósito para ele.

b. O Senhor é bom e misericordioso com aqueles que nEle esperam, com humildade e arrependimento (Lm 3.24-27).

c. O Senhor tem compaixão dos que sofrem, uma vez alcançado o alvo do sofrimento permitido por Ele (Lm 3.28-33). “Porquanto o Senhor, teu Deus, é Deus misericordioso; e não te desamparará, nem te destruirá, nem se esquecerá do concerto que jurou a teus pais.” (Dt 4.31).

2. As misericórdias de Deus estão atreladas à disciplina. Ter misericórdia não significa aceitar tudo. A misericórdia não pode ser usada como escudo para esconder os erros e pecados cometidos, nem fazer falcatruas, nem ser desonesto, nem agir com rebelião. Muitos pecam conscientemente confiando cegamente que a misericórdia de Deus não deixará acontecer nada com eles. O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia (Pv 28.13). A misericórdia é para não fulminar a pessoa. Deus espera que a pessoa confesse e, acima de tudo, deixe.

3. As misericórdias de Deus estão atreladas ao arrependimento.  A misericórdia de Deus foi implantada para dar oportunidade e tempo aos seres humanos de reconhecerem o estado pecaminoso e não serem consumidos antes de se arrependerem e pedirem perdão. Mostrando que Deus é longânimo, tem extrema paciência e é tardio em irar-se. Esperar o ser humano pelo simples ato de bondade, apesar de ele não merecer o perdão. Michael Green (Ed. Vida Nova) sobre II Pedro 3.9: “Não é a incapacidade, mas, sim, a misericórdia que é a razão para a demora de Deus”. Então, misericórdia é sentir a miséria do homem e dar-lhe o tempo suficiente e as oportunidades para arrependimento, mostrando, assim, o grande amor que Deus dedicou às Suas criaturas.

III. DEUS TRABALHA VISANDO A RESTAURAÇÃO

A misericórdia de Deus é a compaixão, a bondade. Um dos sinais é o tempo que Ele espera para o homem reconhecer que precisa voltar-se ao seu Criador (IIPe 3.9). Deus é identificado como o Pai das misericórdias (IICo 1.3). Agora veja o que um pai pode fazer por um filho e imagine Deus, o Pai eterno. Deus suspende temporariamente a penalidade até que chegue o dia do juízo divino sobre o pecador. Porque haverá um julgamento com justiça, hoje Deus ordena que o ser humano se arrependa (At 17.30-31).

1. A esperança em meio às aflições.  A aflição pode ser suportada pelo homem que mantém a esperança viva em Deus. Na tristeza de Jeremias, ele conclama o povo a reconhecer o seu pecado e a voltar-se para Deus, fazendo menção das misericórdias do Senhor. No verso 19 ele diz: “Lembra-te da minha aflição e do meu pranto, do absinto e do fel”. Jeremias diz que se lembra e a sua alma se abate dentro dele. Mas ele continua falando que no seu coração irá recordar, mas de uma coisa ele tem certeza, a esperança não morreu, pois as misericórdias do Senhor “novas são cada manhã”. Jó diz: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.” (Jó 19.25). Nem sempre Deus nos livra das aflições, mas passa conosco e nos dá força para vencê-las.

2. A aflição é temporal e equilibrada. Deus não dá prova além daquilo que podemos suportar, além das nossas forças, pelo seu amor e pela sua misericórdia. A aflição é temporal e equilibrada, Deus não deixará os seus serem provados ou tentados acima das possibilidades de vencer a crises (I Co 10.13). Esse é um grande conforto espiritual dos crentes em Jesus.

3. O propósito das aflições é levar o homem a refletir. Há um propósito quando Deus permite que sejamos atingidos por aflições. O apóstolo Paulo discerniu que havia um propósito para ser atingido por um “espinho na carne”: “para que me não exaltasse” (II Co 12.7). Por isso a Bíblia diz que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8.28). Enquanto neste mundo, o discípulo de Cristo está em processo de aperfeiçoamento. Assim as aflições podem resultar para à correção (Sl 119.67), para provar a nossa fé (I Pe 1.6-7), para nos aplicarmos à oração (Tg 5.13).

CONCLUSÃO

As misericórdias do Senhor estão à disposição de cada pessoa esperando a conscientização e a mudança de vida. O ato de bondade é dar chance ao homem para reconhecer os seus atos pecaminosos. A misericórdia está disponível, mas precisa voltar-se ao seu Criador.

Postado por: Pr. Ademilson Braga

Fonte: Editora Betel

Compartilhe!

Deixar um comentário

© Seara de Cristo - Todos os direitos reservados.

Scroll to top