You Are Here: Home » Artigos » A crise existencial e a necessidade de aceitação

A crise existencial e a necessidade de aceitação

INTRODUÇÃO

Estaremos abordando, nesta lição, as diversas questões acerca de uma crise existencial, quando a vida que se apresenta sem motivos, sem alegria, ou ainda numa linguagem coloquial, “sem graça”. Muitas pessoas, a despeito da posição que ocupam na sociedade, têm dificuldade de aceitação e, por isso, vivem suas vidas de forma sombria e sem prazer. No entanto, quando descobrem o quanto podem ser importantes para um determinado projeto mudam as suas vidas e as dos que estão a sua volta.

SENTIMENTO DE ACEITAÇÃO

No momento da concepção o indivíduo, já pode experimentar o seu primeiro sentimento de aceitação (Jr 1.5). Isso dependerá do desejo da mãe que, mesmo que ainda não tenha tido contato com o dito filho, poderá desenvolver um sentimento positivo ou negativo em relação ao novo ser. O desejo da mãe poderá definir qual será a real importância do filho para ela e para o pai, em que momento ele está chegando e o que irá significar para eles (Lc 2.27-30).

AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO

O mandamento de Jesus “Amar ao próximo como a ti mesmo” (Mt 22.39), implica em dizer que ninguém será capaz de entender as imperfeições dos outros, sem antes passar por uma auto análise (Gl 6.3-4). Há, no meio do povo de Deus, muitas pessoas, que, com muita facilidade, criticam os irmãos, entretanto essas mesmas pessoas seriam execradas por si próprias se olhassem para seus defeitos como se fossem os dos outros (I Co 11.28a).

UMA HISTÓRIA DE AMOR

A Bíblia, nosso referencial de fé, aponta para a história de uma mulher que tinha tudo para sentir-se perdida e abandonada: Rute. Seu testemunho nos mostra como uma pessoa aparentemente sem valor pode se tornar uma peça importante no plano de Deus (Rt 1-4). Ao contrário de Orfa, Rute não temeu ficar com sua sogra, mesmo que isso pudesse significar o abandono total, tanto por parte dos moabitas quanto por parte dos efratitas. Ficar com Noemi, naquele momento, significava para ela abrir mão de si mesma em favor de outrem. Esse tipo de amor só pode ser expressado por quem verdadeiramente se conhece e se ama (Rt 1.15-17).

CONCLUSÃO

Quando nos dispomos a andar debaixo do mandamento do Senhor Ele providenciará tudo que for necessário para que tenhamos uma vida abençoada, daí a importância de nos aceitar como somos, pois só assim o Espírito Santo fará as mudanças necessárias para termos uma vida vitoriosa. Buscar ajuda de um profissional habilitado em questões emocionais também irá ajudar o indivíduo a se conhecer e se valorizar diante do Senhor.

 

 

Postado por: Pb. Ademilson Braga

 

Compartilhe!

Deixar um comentário

© Seara de Cristo - Todos os direitos reservados.

Scroll to top